De bem com a vida. Marido da Camila e pai do João. Um cara fanático pelo Green Bay Packers. O resto é perfumaria.

Hoje, gostaria de falar sobre um assunto que tem me incomodado desde o momento em que descobrimos a gravidade da lesão de Aaron Rodgers. É óbvio que nossas chances de sucesso na temporada diminuíram drasticamente. Está claro que o melhor jogador da NFL na atualidade é insubstituível. Porém, isso não impede de seguirmos torcendo e acreditando.

É incrível a quantidade de torcedores dos Packers que já jogaram a toalha na metade da temporada. E na minha visão isso é tão deprimente. Tão pequeno. E tem algo pior: estes mesmos torcedores estão ridicularizando os que não perderam a esperança. Como se torcer fosse algo ligado principalmente a racionalidade.

Eu já cansei de escrever nesse espaço ou declarar em podcasts, que este esporte em particular, vai muito além de vencer um Super Bowl ou ter uma temporada 2-14. A maior graça está em cada jogo individualmente. Falo com a consciência tranquila que não vou para uma nova temporada com o espírito de que o Packers precisa sair campeão a qualquer custo. Óbvio que é sensacional levar um Lombardi para casa, mas como torcedor, não é o que me move. E esse ano, em especial, eu tenho visto muitos torcedores de Green Bay passando vergonha alheia. Como diz o título do texto, muitos não conhecem a franquia que escolheram “torcer”.

Felizmente na NFL, cada jogo da temporada regular conta uma história. Seja o milagre de Detroit, ou a vitória contra Dallas esse ano, até mesmo a fail mary em Seattle. São tantos jogos emocionantes, tantas variáveis que podem decretar a vitória ou derrota de um time, que beira o ridículo para o fã do esporte não acreditar que seu time possa ganhar o jogo em um domingo qualquer. Indiferente se o time seja o favorito ao Superbowl ou apenas um coadjuvante.

Eu fico imaginando, o que muitos diriam do Packers na primeira temporada do Rodgers atuando no time titular. Digo isso porque a grande maioria não assistiu. Eu mesmo me indignei quando fiquei sabendo que mesmo com a decisão do Favre de voltar a jogar o esporte, Green Bay seguiu com a idéia de manter o Rodgers como titular. Mas passado a raiva, jamais cogitei em torcer contra o Rodgers. Como torcedor, vou sempre apoiar os atletas do meu time, até que me provem não terem valor algum.

E aí entro no ponto que também motivou meu texto. Vocês estão sendo patéticos em detonar o Brett Hundley. Pode ser que este seja o último ano da liga. Pode ser que ele tenha sucesso nos próximos jogos e mostre seu valor. Mas eu não entendo a necessidade de detonar com um jogo, como titular seu quarterback atual. Como um torcedor que ama seu time pode ter uma atitude assim? Totalmente derrotista. E aí, entra o fato de que muitos ainda precisam descobrir a franquia que estão torcendo. Vince Lombardi teria vergonha desse tipo de atitude. Muitos lembram meu filho João, de 5 anos, quando não deixo olhar Netflix ou jogar vídeo game. Crianças. Se olhem no espelho, pelo amor de Deus.

Imagino o que será dessa galera se passarmos décadas de seca como os três adversários da nossa divisão. É só para lembrar: De 1969 até 1995 não ganhamos NADA! A torcida diminuiu por isso? Acabou o amor? Lógico que não. Cada ano foi uma nova esperança. Cada novo quarterback que apareceu, teve o crédito da torcida. Depois são outros quinhentos. Às vezes, eu penso que tem muito torcedor perdendo dinheiro. Deveriam estar trabalhando em UCLA ou em Green Bay mesmo. Pois incrivelmente, depois do sucesso que Hundley teve na faculdade, e todo crédito que os Packers deram a ele, existem torcedores que já decretaram o insucesso da carreira do Hundley. Isso vendo UM jogo. Vai ser bom scout assim na China.

Definitivamente tem gente que nasceu para ser hater. Vão se esconder no fato de que eles têm o pé no chão. São realistas. Vão sempre falar que vai dar tudo errado. E se der, vão dizer “eu falei”. O mesmo tipo de torcedor que ano passado, antes do Run the Table, estavam torcendo por uma boa posição no draft. Quantos jogos memoráveis teríamos deixado de assistir não é?

Sou Packers sempre. Com taça ou na lama. Apoio total ao Hundley. Se ele me provar o contrário, vamos de Callahan. E se também não der certo, que venha o próximo. Há 10 anos, aguentando o Capers entregando vários campeonatos. Nem por isso, eu torço contra nossa defesa. Estamos vivendo um momento único na recente história de Green Bay. De reafirmar nossa paixão pela maior franquia da liga. O resto é choro de torcedor de time pequeno. Que definitivamente, não conhece o time que torce.

Go Pack Go !!!