Faaaaaaaala nação cabeça de queijo!!! Um feliz ano novo para todos vocês! Que este ano nos traga muita saúde, felicidade e vitórias do glorioso Green Bay Packers mas, antes de pensarmos sobre o que acontecerá em 2018, vamos falar sobre o último capítulo da temporada 2017 quando os Packers foram ao Ford Field para enfrentar o nosso rival da NFC North Detroit Lions, em jogo válido pela semana 17 da NFL.

É estranho que em um momento do ano que possui como características principais as festas e a renovação da esperança por um novo período que está chegando nós tenhamos que falar de um jogo tão melancólico quanto o deste último domingo. Tivemos mais uma derrota, mais uma vez com um ataque inseguro, com a defesa cedendo mais de 30 pontos ao adversário e com alguns jogadores mostrando que não tinham a mínima vontade de estar em campo neste jogo. O “lado positivo” é que mais uma vez Green Bay foi a campo com muitos novatos e a partida serviu para dar mais experiência à eles, inclusive aqueles que não vinham tendo muitas oportunidades de jogar.

Como de costume, alguns dos rookies se saíram muito bem e outros deixaram a desejar, sobretudo os que quase não entraram em campo nesta temporada. A falta de ritmo de jogo parece ter atrapalhado eles, como veremos a seguir na análise individual de desempenho dos calouros.

 

Josh Jones – Safety

Fez mais um jogo seguro, embora sem muitos lances de destaque. Ele terminou com 3 tackles totais e 1 passe desviado ainda no primeiro quarto da partida que evitou a recepção do WR Marvin Jones numa terceira descida longa. Jones tocou na bola bem em cima da goal line, frustrando as ambições de touchdown dos Lions e forçando o field goal que empatou a partida em 3 x 3 naquele momento.

Algo interessante a se notar nesta partida foi a atuação de Josh Jones em conjunto com Morgan Burnett. Eles “revezaram” muito os posicionamentos em campo, com Jones hora ficando mais ao fundo, hora mais próximo ao box e até se posicionando junto a linha de scrimmage algumas vezes. É algo que poderia ser usado muito mais vezes do que foi ao longo desta temporada, pois confunde os ataques adversários e torna nossa defesa menos previsível.

Se for melhor treinada, essa pode ser uma boa arma para os Packers em 2018, assim como Josh Jones que terá mais experiência e será uma peça fundamental na nossa secundária.

Nota: A –

(fonte: packers.com)

 

Montravius Adams – Defensive Tackle

Mesmo tendo jogado poucos snaps e não tendo anotado nenhum tackle ou sack, acho que o jogo contra os Lions talvez tenha sido o melhor jogo do “Monty” com a camisa de Green Bay. Quando acionado ele trabalhou muito bem fechando o seu gap e dificultou muito a vida dos running backs adversários.

Pode não ser nada demais, afinal Detroit é o time com o pior jogo terrestre da liga, mas a atuação de Adams lembrou muito às da sua época de Auburn Tigers no College. Além disso, ele teve 1 hurrie que apressou o passe de M. Stafford. O passe incompleto forçou o punt e tirou nossa defesa do campo.

Embora o desempenho de Adams tenha sido abaixo do esperado nesta temporada, esta última lembrança que ficará de 2017 nos dá muita esperança sobre o seu futuro. No seu segundo ano na liga, que sabe ele não siga os passos dos companheiros de linha defensiva Kenny Clark e Dean Lowry, que tiveram um grande salto de qualidade depois da temporada de rookie.

Nota: C +

 

Vince Biegel – Outside Linebacker

Biegel jogou mais tempo desta vez, muito por causa da ausência de Nick Perry. Teve um desempenho regular e terminou com 2 tackles, além da sua já habitual participação nos times especiais.

Ele é outro jogador que teve uma temporada abaixo das expectativas, muito por causa da lesão no pé e por perder praticamente metade dos jogos de 2017. Para 2018, ele terá que provar se merece toda a confiança que a torcida depositou nele, e tomara que ele consiga, pois já será de grande ajuda para o nosso pass rush, sem dúvida o pior setor da equipe nesta temporada.

Nota: C –

 

Jamaal Willians – Running Back

Podemos dizer que foi o nosso melhor calouro do ano. Apesar do início ruim, quando Jamaal parecia nervoso por jogar na NFL o seu péssimo desempenho fez até com que ele perdesse espaço para Aaron Jones, a partir da metade da temporada ele mostrou todo o seu valor e se tornou jogador fundamental para o nosso ataque.

Contra os Lions ele mais uma vez teve uma boa atuação, com 22 carregadas para 89 jardas e ainda mais 3 recepções para 31 jardas, chegando a 120 jardas de scrimmage. Nada mal para um jogo que “não valia nada”.

Para se lamentar, somente os 2 drops que Wiilians teve na partida. Os dois dariam o firstdown aos Packers e ele não conseguiu dominar a bola mesmo estando sem marcação. Um deles terminou com a primeira interceptação de Brett Hundley (que também não lançou AQUELE passe preciso, não é Hundley?).

Nota: A –

(fonte: packers.com)

 

Devante Mays – Running Back

Mays realmente não teve sorte contra o Detroit Lions em 2017. Se no primeiro jogo (semana 9) ele sofreu um fumble logo na primeira carregada, no último domingo ele sentiu uma lesão no ombro ainda no primeiro tempo da partida. Continuou no jogo é verdade, mas a lesão diminuiu e muito o tempo e as chances que ele teria em campo.

Terminou com 1 carregada para 2 jardas e 3 recepções para ganho de 0. Jogou alguns snaps no time de especialistas também. Esperamos que ele tenha mais sorte em 2018.

Nota: C –

 

Justin Vogel – Punter

Depois de algum tempo, finalmente um bom jogo do Vogel! Teve 6 punts para 269 jardas, média de 44.8 jds/punt.

Ok, não é uma média que salta aos olhos ainda mais num estádio coberto como o Ford Field, mas se pararmos para analisar o contexto: dos 6 punts, 2 foram de dentro da nossa endzone onde a pressão para chutar é muito maior, e ele colocou a bola no meio campo. Ainda teve 1 chute que caiu dentro da linha de 20jds dos Lions, 1 touchback e 1 chute de 58 jardas.

Se não foi espetacular, ao menos foi muito decente. Todos os chutes também tiveram um bom hang time. Agora falta a Vogel ter boas atuações de maneira mais consistente, e não ficar alternando bons e maus momentos.

Também precisa melhorar o seu desempenho num estádio com o clima hostil (vento, frio, neve, etc), afinal você joga em Green Bay meu amigo. A torcida espera que essa melhora aconteça em 2018, pois é fundamental para que o nível do nosso time de especialistas também cresça.

Nota: B

(fonte: packers.com)

 

Donatello Brown – Cornerback

Que azar do Brown naquele punt! Trevor Davis estava absoluto na bola, mas o jogador dos Lions conseguiu levar o nosso CB até perto demais do retornador. A bola bateu na cabeça do Brown e tirou o Davis da jogada, sobrando fácil para a recuperação do atleta de Detroit.

No mais, Brown foi utilizado como retornador e em outros snaps dos times especiais. Aliás, no último retorno de Green Bay no jogo ele fez um belo bloqueio no gunner dos Lions, o que possibilitou o retorno do Trevor Davis.

Ele teve um erro grave sim, mas que naquela altura já não mudaria mais a história do jogo. Não se pode crucificar o garoto que já mostrou ter algum talento, e que deverá ter mais chances em 2018.

Nota: D +

 

Lenzy Pipkins – Cornerback

Mais um bom jogo do nosso cornerback! Pipkins com certeza aproveitou muito bem esses últimos jogos sem Kevin King e Damarius Randall.

Contra o Lions ele foi o segundo do time em tackles com 5, atrás somente de Blake Martinez, e ainda teve um passe desviado. Estava sempre marcando de perto seus recebedores e mostrou muita força e velocidade de reação (como num lance em que o QB dos Lions armou um passe mas entregou para a corrida, Pipkins leu perfeitamente a jogada e derrubou o RB ainda na linha de scrimmage).

É verdade que ele falhou na marcação do WR Kenny Golladay em um dos TD’s dos Lions. Poderia estar mais próximo do recebedor, mas temos que dar méritos a M. Stafford também, que lançou um belo passe.

Não, Pipkins não é um CB número 1 e nem vai resolver os problemas da nossa secundária, mas sem dúvida ele já subiu muito no conceito da torcida e da comissão técnica com suas últimas atuações.

Nota: B

 

Michael Clark – Wide Receiver

Não foi bem e teve apenas uma recepção para ganho de 5 jardas. Assim como no jogo contra os Vikings na semana anterior, os problemas de técnica voltaram a aparecer.

Clark foi alvo 5 vezes e só completou 1 recepção. Está claro que ele precisa melhorar o modo como corre suas rotas, como posiciona as mãos para fazer a recepção, aprender a tirar o defensor da marcação, entre outras coisas. Porém, como dissemos na última coluna, as principais qualidades de Clark são físicas, e ele terá toda a offseason e o training camp para evoluir nos aspectos técnicos do jogo.

Se conseguir pode ser um “achado” que trará muitas alegrias para a torcida de Green Bay.

Nota: D

 

Adam Pankey – Ofensive Tackle

Finalmente teve a sua chance de entrar em campo em 2017, ainda que por pouquíssimos snaps. Quando esteve em campo não comprometeu e até fez um bom bloqueio na jogada em que o TE E. Byrd recebeu um passe e correu 29 jardas para firstdown.

Ainda é cedo para avaliar Pankey como jogador, vamos aguardar a próxima pré-temporada para ter uma idéia melhor.

Nota: D +

 

Emanuel Byrd – Tight-end

É um rookie vindo da universidade de Marshall que estava o practice squad dos Packers. Foi elevado ao time principal por causa da ausência de Richard Rodgers que estava machucado.

Tem boa altura e parece ser forte. Contra os Lions foi pouco acionado, mas quando o foi, teve uma boa participação. Foi alvo por 2 vezes e completou as duas recepções, uma delas para 29 jardas. Pode ser um jogador para ficar de olho na próxima temporada, já que vamos precisar de Tight-Ends.

Nota: B –

(fonte: packers.com)

 

*Kevin King (CB), Aaron Jones (RB) e Chris Odom (OLB) ficaram inativos neste jogo.

 

É isso aí galera cabeça de queijo, acabou. Agora só veremos o nosso Packão novamente em campo na preseason de 2018 em Agosto. Será uma longa espera, ainda que no meio do caminho aconteçam o Combine, Free Agency, Draft…mas não será a mesma coisa.

Não fiquem preocupados, pois nós do Cheeseheads Brasil continuaremos a cobrir todas as novidades do glorioso Green Bay Packers para você torcedor. E aqui na “De Olho nos Rookies” vamos dar atenção especial para os prospectos do Draft 2018 que estão sendo citados como possíveis futuros jogadores do green n’ gold.

Foi uma honra escrever para vocês durante toda esta temporada, ainda que ela não tenha terminado da maneira que todos nós sonhávamos. Mas, como disse no começo deste texto, esta é uma época de renovação de esperanças…vamos acreditar que as mudanças necessárias serão feitas, que o time vai “encaixar” neste novo ano e que o futuro nos reserva coisas boas (tomara que uma delas seja o SB LIII). Mais uma vez obrigado, e Packers sempre…GO PACK GO!!!