De bem com a vida. Marido da Camila e pai do João. Um cara fanático pelo Green Bay Packers. O resto é perfumaria.

Seguindo nossa avaliação individual da classe do draft passado de Green Bay, falaremos sobre o defensive end Dean Lowry e o inside linebacker Blake Martinez


Leia a parte 1 aqui

Na segunda parte da nossa análise, começamos falando de Dean Lowry, defensive end da faculdade Northwestern, segunda escolha de quarta rodada do Packers:

Dean Lowry (94) comemorando seu segundo sack da carreira na temporada regular da NFL. Fonte:Lombardiavenue.com

Quando lembro das primeiras avaliações de Lowry, depois da escolha do Packers, o que logo vem na mente são seu braços curtos. Lembro da Espn de Wisconsin fazer uma matéria minuciosa sobre o tamanho dos braços dos 15 melhores jogadores na posição de Lowry. Wolf, quando questionado sobre a questão dos braços do jogador, falou que eles não enxergavam isso como um problema sério. Durante o training camp, tudo levava a crer que o jovem atleta teria um longo caminho a percorrer. Isso foi comprovado na sua primeira temporada na liga. Mas ele também mostrou o que seus vídeos nos contava. O defensive end tem talento para agredir o meio da linha adversária. Tendo ficado ativo em 15 jogos da temporada regular, mas jogando poucos snaps, Dean Lowry conseguiu 8 tackles e 2 sacks (contra Houston e Seattle). Agora é torcer para Lowry melhorar suas técnicas de pass rush para aliar a sua evidente velocidade e agilidade. Para um jogador do tamanho dele, essas características logo chamam nossa atenção. Bem que ele poderia dar o pulo de qualidade e produção para o time que seu companheiro de linha, também draftado na quarta rodada, deu no segundo ano de NFL. Todos sabem de quem estou falando certo?

Nota 2016: C+


 

Agora chegou a vez de avaliar o “xodô” de muitos torcedores na temporada passada. Quando muitos pediam a escolha de um inside linebacker na primeira rodada (deve ter sido o terceiro ano seguido que a torcida implorou por alguém cedo sendo draftado na posição), Ted Thompson acabou optando pelo talento de UCLA, o defensive tackle Kenny Clark. Foram necessárias três escolhas antes da chegada do esperado linebacker que ajudaria a melhorar o meio da defesa dos Packers. Dois amigos de Packers Brasil Podcast colocaram um hype sensacional em cima do garoto. Um deles comprou a jersey número 50 na sua última viagem a titletown. Sim, estamos falando de Blake Martinez:

Blake Martinez (50). Fonte: Packers.com

Desde o draft até todo o training camp, Martinez foi o “queridinho” da maioria dos torcedores do Packers. Até pela necessidade de alguém assumir a posição, que tinha um elenco carente, Martinez parecia ter uma das vagas garantidas no time titular ao lado de Jake Ryan. Só tem um problema, a NFL é um esporte difícil de ser dominado logo no primeiro ano. Não foi diferente com Martinez. O jovem “zagueiro” (risos) oscilou entre partidas boas e outras medíocres. O que impressiona em Martinez é a confiança que a comissão técnica tem sobre ele. Desde cedo, já foi responsável pela comunicação entre defesa e treinadores, através do microfone no capacete. Sem dúvida ele se esforça muito dentro do campo.Acredito que ele tem boas chances de evoluir no próximo ano e conseguir ter um jogo mais regular e consistente. A lesão no joelho na partida contra o Redskins, também não ajudou o final da temporada de Blake Martinez.

Martinez foi titular jogando como weak inside linebacker na base e nickel ao lado de Jake Ryan, que exerceu a função de strong inside linebacker. Martinez jogou 399 dos seus 480 na temporada, antes de sofrer a lesão no joelho na semana 10. Ele perdeu 3 jogos e nunca mais foi o mesmo quando voltou. Martinez desapontou um pouco na cobertura, principalmente em jogadas de play-action. Ele também teve problemas para se livrar dos bloqueios da linha ofensiva.

Martinez terminou sua primeira temporada com 69 tackles, 4 passes defendidos , 1 sack e 1 interceptação.

Nota 2016: C