Apaixonado por esportes, história e números, principalmente quando misturados com a magia e tradição de um dos principais times da NFL. Abordagens sobre o cotidiano do Green Bay Packers, assim como suas curiosidades e estatísticas. #GoPackGo

Atlético, forte e versátil. Esses foram alguns dos adjetivos usados para qualificar o então jovem Linebacker de Stanford Blake Martinez na época em que foi declarado ao NFL Draft, em 2016.

Ótima opção para o jogo físico, com impulsão, explosão e força suficientes para o manter longe dos problemas com bloqueios. O poder concentração e leitura do jogo de Blake também contribuíam para que ele pudesse ser flexível ao ponto de poder jogar bem nos dois esquemas defensivos: 3-4 ou 4-3, algo não muito comum. A NFL só viria contribuir para o seu crescimento, potencializando essas fortalezas e minimizando as fraquezas que tinha quanto a velocidade e manutenção de sua explosão e intensidade por todo o jogo. Nessa transição, a questão a ser levada em consideração seria o tempo necessário para sua adaptação, de forma a pavimentar as condições de produção de bons e melhores números do que aqueles em seu tempo no College: 255 tackles (139 solos e 116 assistidos); 6,5 sacks; 5 interceptações e 5 fumbles forçados.

Blake Martinez defendendo Stanford. FONTE: PACKERS.COM

Com este currículo, Martinez foi um dos escolhidos por Green Bay para a unidade defensiva, sendo recrutado na 4ª rodada (131ª escolha) do NFL Draft 2016. Durante os camps teve oportunidade de justificar sua escolha com bons trabalhos de campo, arrancando elogios de Dom Capers:

” Blake é um garoto brilhante e sabe como se encaixar no sistema (de jogo). Ele é extremamente atencioso, detalhista e inteligente. Sempre tenho que voltar 1 ou 2 passos nos treinos porque ele sempre se antecipa e mostra tendências.”

As boas expectativas e análises sobre seu estilo de jogo lhe garantiram vaga no time titular e a estreia na semana 1, em Jacksonville, ajudando o time a conquistar uma dramática vitória. Os planos de Green Bay tinham Martinez em todos os jogos, mas as lesões atrapalharam e afastaram o número 50 de 3 jogos na temporada regular. Ao final, ele participou de 438 snaps (42,6% dos snaps defensivos) em 13 jogos, dos quais iniciou 9, produziu 69 tackles (47 solo), 1 sack, 4 passes desviados e 1 interceptação.

Os números em si podem indicar um razoável início ao jogador, mas ainda sim, não evidenciam a principal qualidade de Martinez: a força no jogo físico e sua explosão e intensidade que o fazem levar vantagem na maioria dos confrontos. Dentre os rookies essas características se sobressaíram, como esperado por quem leu seu scout, levando-o a ser o mais efetivo Linebacker calouro da liga em parar o jogo corrido, segundo estatísticas divulgadas nesta semana no site Pro Football Focus.

Martinez, o melhor Linebacker calouro contra o jogo terrestre. FOTO: PACKERS.COM

Blake ficou a frente de todos os outros Linebackers iniciantes no quesito permissão de jogadas terrestres. Segundo os game logs somados de todas as partidas da temporada regular, Martinez conseguiu parar 9,9% de todas as jogas terrestres de adversários do Packers, marca 9,1% maior que a do segundo colocado (Deion James, Atlanta Falcons) e 25,2% maior que a do terceiro colocado (Elandon Roberts, New England Patriots).

Apesar de 2016 ter sido sua primeira temporada em que além da inexperiência, as lesões também pesaram, Blake Martinez conquistou uma importante marca que permite impulsionar as esperanças dos cheeseheads. O número 50, saudável, poderá jogar mais partidas e melhorar o seu índice, sendo um dos pontos de apoio do Packers na difícil tarefa de melhorar seu desempenho defensivo. Claro que a estatística positiva de Martinez ajudou muito o Packers a melhorar seu desempenho terrestre (saiu da 12ª maior cessão de jardas pelo chão em 2015 para a 20ª posiçao em 2016), mas muito mais será necessário na unidade mais sensível do time. Martinez tem potencial para se destacar e 2017 é crucial para que esta trajetória se confirme.