Apaixonado por esportes, história e números, principalmente quando misturados com a magia e tradição de um dos principais times da NFL. Abordagens sobre o cotidiano do Green Bay Packers, assim como suas curiosidades e estatísticas. #GoPackGo

12 de março de 2017 marcou o fim do ciclo de 8 anos da passagem de T.J. Lang pelo Green Bay Packers. O veterano Tackle se tornou Free Agent ao final da última temporada e não teve o seu vínculo renovado. Tal decisão dividiu a torcida dentre aqueles que compreenderam o peso financeiro que estava por trás e os demais que criticaram, com base na perda de nível técnico que a linha ofensiva poderia apresentar.

Lang participou de 135 jogos em toda a sua carreira, sendo que destes, 119 foram por temporadas regulares, dos quais iniciou 79%, ou seja, 94 jogos. Durante este período se destacou pela sua força e qualidade na contenção das investidas adversárias contra o ataque, sendo peça central na proteção de Aaron Rodgers. Sua falta na composição do time de ataque poderia colocar em risco ou diminuir a tranquilidade que o camisa 12 poderia ter no pocket para trabalhar, como também pode afetar o desempenho do jogo corrido. Lang é importante, e junto com os companheiros que teve, conseguiu ajudar Rodgers a ter anualmente maior tempo de controle da bola e com isso, maior predisposição para as jogadas mágicas que amamos ver. E isto é facilmente observado nas estatísticas.

Em 2009, ano de estreia de Lang, Rodgers foi sacado 50 vezes em toda a temporada regular, o que equivalia a uma taxa de sacks por tentativa de passe de 8,5%, ou seja, de cada 100 passes tentados, Rodgers sofria sacks em 8 deles. A marca foi melhorando com o passar do tempo. Na temporada do último título, Rodgers foi sacado 31 vezes na temporada regular, ou em 6,1% de todas as suas tentativas de passe. 2 anos depois, Rodgers atingiu a menor marca no período, 21 sacks (6,8%), culminando com a marca da última temporada de 35 sacks (5,4%), simbolizando queda de 30% na quantidade de sacks e 36,5% na taxa de sacks por tentativa de passe, desde 2009. Isto é significativo, haja que o estilo de jogo adotado, de um modo geral na liga, foi se moldando mais aos passes, sendo a linha ofensiva fundamental para dar ainda melhores condições de trabalho para o Quaterback, e nisso, Lang teve sua contribuição.

T.J. Lang atuando em seu último ano por Green Bay. FONTE: Fox News

A temporada passada reservou um final melancólico para Lang, que lesionado, desfalcou o time nos jogos finais da temporada regular e dos offs. O Packers teve que começar a se acostumar em não vê-lo em campo. Na offseason a sua renovação foi em muito discutida e testes para uma nova linha ofensiva sem Lang foram feitos. Aaron Rodgers saiu em defesa daqueles que seriam a opção para a nova composição, reforçando que Don Barclay, Kyle Murphy e Lucas Patrick dariam conta do recado:

“Não sei se precisamos de um novo jogador (para a composição) via Draft. Eu acho que não…Gosto dos garotos que temos e acho que haverá uma boa competição entre eles (pela suplência de Lang)”

Ainda sim, o Packers adquiriu em Abril outro veterano para ser uma das principais caras da composição: Jahri Evans, liberado pelos Saints. Evans jogou 11 temporadas por New Orleans, sendo starter em todos os 169 jogos que disputou na temporada regular, além de outras 10 partidas de playoffs. Soma na carreira 6 sacks e 5 fumbles recuperados. A expectativa é de que Evans possa manter um nível adequado de proteção às jogadas de ataque, além de adicionar experiência em uma área sensível ao time. Mas ainda sim, restam dúvidas sobre o quanto que o jogador poderá contribuir com o Packers e se a escolha feita por Thompson foi justa e adequada.

A nova aposta, Jahri Evans. FONTE: Bleacher Report

Para o site Acme Packing Company, por exemplo, há possibilidades da linha ofensiva sofrer um upgrade com a troca, uma vez dos bons conhecimento de bloqueio que Evans possui. Além disso, quando comparados os padrões de jogo entre Evans e Lang, há a possibilidade de utilizar Evans de uma forma menos uniforme em campo, algo não feito com Lang, que tinha como foco os encontros individuais com adversários para a realização de bloqueios. Entretanto, o ponto a se considerar, no caso, seria a sua idade e a sua condição física. O jogador possui 34 anos e sua vitalidade nos jogos pode ser afetada por isso, sendo até um dos fatores que motivaram a sua dispensa pelos Saints (Jahri foi dispensado por New Orlans, passou por Seattle e voltou para os Saints, onde disputou a temporada 2016).

Aos críticos, as questões passam pela perda de mais um símbolo do time, tal qual era Josh Sitton antes de sua ida aos Bears, e de um erro de estratégia de Thompson em trocar um jogador talentoso, que acabou de fazer sua primeira aparição no Pro Bowl, por um jogador mais velho e que apresente riscos consideráveis de render menos.

Evans pode ser importante para reforçar a linha ofensiva dos cheeseheads. Não terá uma tarefa fácil para isso, seja em manter a produção que Lang ajudou a montar, seja em enfrentar defesas mais ferozes e sedentas pelo insucesso de Rodgers e seus companheiros. Que a experiência e sua qualidade se sobressaiam! Não será uma temporada fácil, de novo.