Apaixonado por esportes, história e números, principalmente quando misturados com a magia e tradição de um dos principais times da NFL. Abordagens sobre o cotidiano do Green Bay Packers, assim como suas curiosidades e estatísticas. #GoPackGo

5-4!!! Green Bay Packers e Vitória voltaram a se encontrar no último domingo e não poderia ter sido em local melhor do que na casa do rival. O triunfo sobre os Bears trouxe um importante incentivo para a sequência da caminhada do time, empatando a campanha de Detroit na vice-liderança de divisão. Da mesma foma, a vitória foi um grande incentivo também para Brett Hundley, que precisava muito vencer o jogo para adquirir a confiança de que tanto necessitava. O time apresentou uma qualidade superior de jogo, sendo a melhor desde a lesão de Aaron Rodgers, com ótima produção das duas dimensões do ataque e com uma boa apresentação da defesa. Davante Adams, Randall Cobb, Aaron Jones, Ty Montgomery e Nicky Perry foram os grandes nomes. Porém, a vitória contra os Bears não trouxe apenas notícias positivas: Green Bay perdeu seus dois Running Backs, Aaron Jones e Ty Montgomery, para o duelo contra os Ravens, além de uma nova lesão no joelho de Bryan Bulaga. Estes, somados ao desfalque de Morgan Burnett, pela 2ª semana seguida, e a Justin McGray serão as baixas já confirmadas. Ainda constam como dúvidas até momentos antes do jogo Ahmad Brooks, Quinton Dial e Kevin King.

Por sua vez, Baltimore vem de uma semana de folga e também possui jogadores-chave listados no seu Boletim Médico: Terrance West, Jimmy Smith e Chuck Clark são alguns dos nomes. De todos, a situação mais preocupante é a do Tackle Ronnie Stanley, ainda em status Duvidoso por conta de Concussão. Quanto ao campeonato, os Ravens apresentam campanha negativa (4-5) e uma derrota de retrospecto. estando na 2ª posição da AFC Norte, 3,5 jogos atrás dos Steelers.

Veremos neste domingo ser escrita a página número 6 desse confronto. O duelo é recente na história da NFL, em que Green Bay leva a vantagem de ter vencido 4 dos 5 jogos, no geral, e 3 dos 3 jogos feitos no Lambeau Field. A única derrota registrada foi em Baltimore, em dezembro de 2005. Para que os Packers consigam conquistar a 5ª vitória no confronto, muito do esquema de jogo passará pelas trincheiras. Nunca o jogo corrido ganhará tanta importância em uma partida como nesta, em que a boa defesa terrestre dos Packers terá que segurar o 10º melhor ataque no setor, com 120,9 jardas/jogo. Javorius Allen é o jogador a se prestar atenção, pela sua capacidade de ganho de jardas e por também ser usado como recebedor por Flacco. Da mesma forma,para que o Packers continue estabelecendo seu jogo corrido, assim como está acontecendo nos últimos jogos, necessitará vencer a 5ª melhor defesa terrestre da liga, cedendo 125,9 jardas/jogo. As combinações de jogadas para Jamaal Williams e Aaron Ripkowski precisarão ser muito bem montadas e executadas por todo o time. Ainda nas trincheiras, pressionar Flacco é outra chave fundamental, aumentando a instabilidade do ataque do time. Estes são alguns dos pontos a serem observados na partida. Vamos aos detalhes:

1. Green Bay no ataque: o jogo das trincheiras

Enfrentar uma das melhores proteções contra o jogo corrido sem seus dois Running Backs principais e com mais uma vez sem poder contar com a formação original da linha ofensiva será um grande desafio, principalmente tendo-se em vista que Green Bay está no grupo das 10 piores OLs em sacks (5º, 30) e QB Hits (8º, com 60 oportunidades cedidas de pancadas aos seus Quaterbacks). Na partida, será fundamental a soberania no duelo físico na linha de scrimmage para que o ataque possa evoluir sobre uma deficiência da defesa dos Ravens em não ser eficiente na prevenção das jogadas, ou seja, evitar que corridas comecem a ser desenhadas em condições favoráveis para relevante ganho de jardas, ou que o Quaterback tenha tranquilidade para evoluir no pocket. Baltimore possui a 7ª pior marca de Tackles e a 17ª pior marca de Sacks. Por outro lado, é na contenção das jogadas que Baltimore consegue bons números, sendo a 5ª menor cessão de jardas terrestres, graças aos trabalhos do seu corpo de Linebackers, formado por Terrell Suggs, CJ Mosley e Patrick Onwuasor. Como matchups fundamentais, temos Jahri Evans e Core Linsley contra as investidas de Terrell Suggs, líder de sacks, e CJ Mosley, líder de tackles, além de David Bahktiari contra Ulrick John. Será interessante observar nesses confrontos, como a OL do time se apresentará na formação das bases necessárias de avanço terrestre, mesmo com as limitações de formação, e de que forma as jogadas de corrida serão usadas, elas que vinham sendo as principais armas de Hundley. Pela exigência de duelos mais físicos e pelas configurações do time, Aaron Ripkowski participará mais ativamente do jogo.

Imagem relacionada
Linha Ofensiva: a chave para o jogo contra os Ravens. FONTE: GRANTLAND

2. Brett Hundley x Defesa BAL
Brett Hundley segue seu processo de evolução no time e em paralelo vem a aquisição de confiança para tentar soltar mais a bola ou arriscar jogadas mais ousadas. Contra os Bears foi nítido que Hundley fez a partida em que mais se sentiu à vontade, até aqui. Como falamos no tópico anterior, ele precisará de um bom desempenho de sua Linha Ofensiva para seguir nesse caminho evolutivo, principalmente tendo em vista que o Coordenador Defensivo dos Ravens, Dean Pees, sinalizou que aumentará a pressão sobre ele na partida, mesmo ela ainda não tendo a eficiência de que se deseja. Por sua vez, quando receber a bola, Hundley terá grandes oportunidades na luta de reviver o jogo aéreo contra a 2ª pior cessão de jardas aéreas (184,7 jardas/jogo) e em um contexto em que está se criando uma boa química entre Hundley, Adams e Cobb. Alguns dos nomes que Hundley deverá considerar no momento do passe são  Eric Wedlle, Maurice Canady, Jimmy Smith, Marlon Humphrey e Brandon Carr, nos trabalhos de cobertura contra o passe na secundária dos Ravens. Destaca-se, sobretudo Canady, que será o homem responsável por acompanhar a evolução das rotas de Cobb, sendo a principal ameaça aos Packers.

Resultado de imagem para packers brett hundley 2017 @ bears
Brett Hundley e a sua saga evolutiva. FONTE: SB NATION

3. Joe Flacco x Secundária GB
É verdade que Joe Flacco não vem fazendo uma temporada brilhante, mas o Quaterback é dono de um dos mais potentes braços da liga e ainda sim, apesar de tudo, é a partir de seus lançamentos que o jogo aéreo é o que está salvando o ataque dos Ravens. Neste domingo ele enfrenta uma defesa contra o passe marcada pela instabilidade nas partidas: os Packers possuem a pior cessão de 1st downs pelo ar, com 40,3% das tentativas dos adversários sendo convertidas, além de figurarem no top 15 das defesas que mais cederam jardas aéreas. O principal ponto chave do ataque dos Ravens passa pela quantidade de interceptações sofrida por Flacco (10), o suficiente para minar seu poderio ofensivo, apenas a 27ª marca de ganho de jardas e 28ª marca de touchdowns, e colocá-lo como o 3º Quaterback com mais interceptações, perdendo apenas para DeShone Kizer e Cam Newton. Nesse ponto, aumentar a marcação sobre Mike Wallace, Jeremy Maclin e Benjamin Watson será fundamental aos Packers, que podem, a partir da defesa pavimentar o caminho da primeira vitória em casa sem Aaron Rodgers. Um dos jogadores defensivos que se destaca é Ha Ha Clinton Dix, que foi o líder de interceptações do time na temporada passada, e hoje, apesar de sua velocidade e qualidade nas coberturas, vem fazendo uma temporada discreta. É uma grande oportunidade para o #21. Outro jogador fundamental para essa cobertura é Damarius Randall, líder de interceptações na temporada do time.

Resultado de imagem para packers HA HA CLINTON DIX 2017 @ bears
Um jogo para ele: Ha Ha Clinton Dix. FONTE: USA TODAY

A partida em si promete ser dura e é essencial para os Packers, em conquistar a segunda vitória seguida e sonhar, caso Detroit tropece, com a vice-liderança isolada de divisão e uma aproximação com os Vilkings, caso também tropecem. O time mostrou no último domingo que evoluiu em alguns pontos e teve uma postura melhor, quando comparado aos últimos jogos. É fundamental que essa tendência de evolução se mantenha, principalmente, jogando-se em casa, contra um adversário instável e que já não deve lutar mais por offs na temporada. Ainda sim, erros, mínimos que sejam, podem ser fatais.