Uma apaixonado pelo Green Bay Packers e um devoto de Brett Favre, Ahman Green, Jordy Nelson e Aaron Rodgers.

Olá fãs e fanáticos pelo Green Bay Packers, sei que a semana não está sendo fácil, uma vez que perdemos mais uma na temporada, isso com o direito a retorno do mito Aaron Rodgers. A derrota foi fora de casa para o Carolina Panthers por 31×24. Quase tivemos a chance de conquistar um empate no quarto período, mas com três interceptações de Rodgers e o um fumble de Geronimo Alisson na campanha que poderia ser o do empate impossibilitaram que nós saíssemos com a vitória de Carolina.

Em uma das minhas várias crônicas havia dito que as chances de playoffs haviam ido para o ralo com a lesão de Aaron Rodgers. A profecia se confirmou. Mesmo com o retorno do mito, a campanha que foi defenestrada com atuações irregulares de Brett Hundley, ausência de Jordy Nelson e a defesa tendo atuações de horripilantes a razoáveis, foram determinantes para nossa queda nessa temporada regular.

Isso mostra mais uma vez que nós dependemos demais de Aaron Rodgers. Uma boa equipe de futebol americano tem que primar pelo equilíbrio em todos os setores. E nessa atual temporada e em anteriores a palavra equilíbrio não é dita e se quer esta é cogitada para ser implementada na equipe. Quando o ataque vai bem, a defesa vai mal, quando o ataque vai mal a defesa vai bem, fora os special teams que acerta uma jogada e erra outra. Dificilmente você torcedor conseguirá lembrar uma partida se quer em que o Packers foi altamente dominante em todos os setores da equipe. Isso é muito ruim.

Na atual temporada corrigimos grandes problemas no ataque, como draftar três running backs com muita qualidade, sendo que Jammal Willians e Aaron Jones se destacaram muito, ainda mais após a lesão do Ty Montgomery. Porém, se consertamos nosso problema na posição de running back, na de tight end, pensamos que tínhamos resolvido, com a contratação de Martellus Bennett, só que não. O tight end venho e não mostrou bons serviços e acabou saindo do Packers por causa de brigas internas com relação a sua lesão no ombro.

No próximo draft temos que acertar na escolha e dois nomes tem que serem visto de perto: Troy Fumagalli esse é da casa, da Universidade de Wisconsin e o outro Mark Andrews da Universidade de Oklahoma. Se algum desses prospectos vierem, ou quem sabe Ted Thompson achar outro bom talento nessa posição quem sabe essa lacuna pode ser preenchida. Acho que o nosso forte ataque ficará ainda melhor e assim a aumentar as possibilidades de jogadas para o playbook defasado do Mike McCarthy.

Mas meu veneno vai ser destilado mais intensamente agora. Sei que o ataque nosso tem seu problemas, mas que são mais fáceis de serem resolvidos. Agora na defesa, as coisas são bem mais embaixo. Desde que eu acompanho o Packers, isso lá em meados de 2009, nunca tive a oportunidade de ver uma defesa dominante em Green Bay.

Tirando a defesa campeã do Super Bowl de 2010/2011, a defesa do Packers nunca foi “aquela” que me tirasse suspiros e que me desse um orgulho. Em várias conversas com torcedores, em especial nos grupos de whatsapp, sempre estamos reiterando a importância da demissão do nosso coordenador defensivo Don Capers.

É nítido que a nossa defesa vem decaindo nas últimas temporadas. Na temporada passada, fomos a pior defesa no jogo aéreo. Nesse ano, as estatísticas são ainda mais assustadoras. Vou citar algumas delas.

– Quarterbacks completam 69 % dos passes em 3rd down.
– ‎O adversário converte 44.8 % das terceiras descidas
– ‎Os ataques adversários anotam pontos em 40.3 % das posses.
– ‎Os ataques adversários marcam TD em 23.5% das posses.
– ‎Toda vez que o adversário chega na redzone ele marca, sendo TD em 69.2% das vezes.
– ‎Já tomamos 26 drives de pelo menos 5 minutos, e 30 drives de pelo menos 10 jogadas.

Vendo por esses números, nossa defesa é uma das piores em vários quesitos. Nossos jogadores tem talento suficiente para terem atuações convincentes e que ajudem o nosso ataque a vencer os jogos. É nítido o quão nossos jogadores tem dificuldades de entender as jogadas que Don Capers que aconteça. Nossas blitz são uma negação, pois não conseguimos encostar nos qbs adversários e eles tem tempo suficiente para castigar a mal treinada secundária.

Não temos pass rushers dominantes que imponham respeito a nossa defesa. Clay Matthews não aguenta mais jogar o tempo todo nessa posição e Nick Perry é muito lento para tal função, apesar de ter ido muito bem na temporada passada. No Draft e na Free Agency temos que solucionar esse problema, que vejo como prioridade a ser resolvida.

Além disso, precisamos de inside linerbackers que possam atuar ao lado de Blake Martinez, pois nessa temporada só ele tackleava em praticamente todas as jogadas, principalmente quando o ataque adversário passava para o segundo nível da defesa. Nossa primeira linha é muito boa, mas a segunda precisa ter seus buracos fechados.

Por fim, precisamos de alguém que esteja à altura de Kevin King para jogar ao seu lado. Davon House venho para a posição, mas conseguiu se machucar demais e fazer de menos. King mesmo com problemas no ombro, jogou muito melhor do que House. E nesses dois próximos jogos, é o ideal para vermos se outros jogadores da posição tem realmente a qualidade necessária para jogar no Packers, e destaco dois em especial Lenzy Pipkins e Donatello Brown que se mostraram eficientes na pré-temporada.

Porém com todos esses problemas, um a ser resolvido nos ajudaria muito, que é a demissão do Don Capers. Espero que Mike McCarthy e seu staff revejam o que esta acontecendo realmente com a nossa defesa, que vem se definhando temporada após temporada. Não podemos continuar nessa mesmice de que Rodgers vai resolver tudo. Temos que ter um time equilibrado em todos os setores se quisermos ver Rodgers em um Super Bowl.

E para isso a demissão de Capers será fundamental para essa guinada da defesa que tem talento, mas é muito mal treinada. Não podemos ficar reconstruindo esse setor a cada temporada e acabar sucumbindo em uma defesa fraca e mal treinada, ao ponto de achar que determinados jogadores não tem o devido talento para estarem em Green Bay. Mike McCarthy, está em suas mãos aquilo que pode mudar os rumos do nosso Packerzão.

No mais, vamos aguardar o fim da temporada e nas próximas crônicas analíticas, falarei mais sobre a temporada, atuação dos jogadores e o planejamento para o ano que vem. Go Pack Go!!!