Apaixonado por esportes, história e números, principalmente quando misturados com a magia e tradição de um dos principais times da NFL. Abordagens sobre o cotidiano do Green Bay Packers, assim como suas curiosidades e estatísticas. #GoPackGo

NFL Draft é o início de uma temporada vitoriosa ou não para um time. É o momento de suprir as necessidades que ficaram latentes na temporada passada e/ou se afloraram com as movimentações na Free Agency. Mas cada decisão que é colocada em prova no evento promovido pela liga necessita de diversos balizamentos e além disso, da sorte de escolher o cara certo e você estar na posição certa de draftá-lo.

NFL Draft: o momento de realização de sonhos e a montagem de times campeões. FONTE: LOMBARDI AVE.

Quando a noite de 27 de abril chegar será a 13ª vez que Ted Thompson impulsionará as decisões do Packers no NFL Draft. Nos últimos 12 anos de comando, Thompson foi o mentor de decisões importantes, talvez a maior delas, a escolha de Aaron Rodgers, em 2005. Em paralelo, Thompson definiu uma estratégia para os últimos anos: a utilização da primeira escolha do draft como uma ferramenta de recuperação e revitalização defensiva. Desde 2005, o Packers utilizou seu poder de primeira escolha para o campo defensivo em 9 das últimas 12 oportunidades (75%). Quando voltamos apenas aos últimos 5 anos, todas as escolhas foram centradas neste setor. Assim sendo, nesta semana pré-draft, o que vai tomar em muito os pensamentos daqueles apaixonados por Green Bay é: será que o nosso caminho passa por recrutar um prospecto defensivo? E se for, é o melhor caminho?

Ted Thompson e as difíceis decisões para o futuro do Packers. FONTE: PACKERS NOTES

O caminho até então traçado tem suas origens na passagem das temporadas 2011 para 2012, em que Ted Thompson enxergou a necessidade de fortalecer o campo defensivo após a derrota no Wild Card contra o Arizona Cardinals. O que chamou a sua atenção foi a grande quantidade de jardas permitidas, 531, sendo 71% delas pelo ar. Buscar conter a força de passe dos quaterbacks, levando-os a trabalhar pelo chão e a partir disso, blindar mais o time, em teoria, levou o Packers a usar sua escolha de primeira rodada no linebacker Nick Perry.
A temporada de 2012 veio e com ela outra eliminação na pós-temporada. Mais uma vez a defesa mereceu as atenções no recrutamento, levando a escolha de Datone Jones. O filme se repetiu após as temporadas de 2014 e 2015, em que a secundária foi privilegiada com as captações de Ha-Ha Clinton Dix e Damarius Randall. Em 2016, a escolha foi direcionada ao corpo da linha defensiva, com o Defensive Tackle, Kenny Clarck. Apesar destas escolhas na defesa, tal composição seguiu apresentando falhas, despertando críticas da imprensa e dos torcedores. Na offseason, mais lacunas ficaram visíveis, sobretudo após as perdas de Shields e Hyde, formando para 2017 um cenário de dependência de uma secundária ligeiramente inexperiente e jovem. Por outro lado, o ataque também foi sensibilizado com perdas de corredores e importantes componentes da linha ofensiva, também abrindo outras possibilidades. Mas, apesar disso, o debate sobre a situação da defesa se manteve em primeiro plano e os números justitificam a motivação para tanto.

A instável defesa de Green Bay. FONTE: USA TODAY SPORTS

Na temporada regular de 2016, o Packers foi o dono da 8ª melhor marca em ganho de jardas por jogo e o 4º time a marcar mais pontos em cada partida. Porém, no quadro defensivo, foi apenas a 22ª melhor marca na cessão de jardas por jogo e a 20ª menor concessão de pontos por partida. Em média, na temporada regular, o time fez 27 pontos e cedeu 24,1. Mas quando olhada a pós-temporada, a situação foi de considerável piora, em que foram marcados 31 pontos e cedidos 29,3 por jogo, o que foi o suficiente para colocar o time como a pior defesa da pós-temporada. Assim, o que se conclui é que apesar das intempéries do time com lesões de jogadores-chaves e com a configuração tática nos jogos, ainda se veêm lacunas a serem preenchidas neste setor, algo que a estratégia dos últimos 5 anos ainda não conseguiu fazer.
Olhando um pouco mais longe, o time tambem não esteve dentre as 10 melhores defesas da NFL em pontos e jardas por jogo, algo totalmente contrário a alguns times que estavam em similar estratégia, mas conseguiram achar o alvo certo para suas apostas, casos de Pittsburgh Steelers, Kansas City Chiefs e New England Patriots. A melhor defesa do Packers nestes últimos anos conseguiu ser montada apenas na temporada 2012/2013, em que seu poscionamento na permissão de jardas por jogo foi em 11º lugar. Desde lá, a melhor  colocação do time foi em 2015, na 12ª posição.
Outro importante dado: segundo levantamento da USA TODAY NETWORK – WISCONSIN, a primeira rodada responde pela seleção de 75% dos Pro Bowlers, entre 2005 e 2015. Ao Packers, não se vê sucesso nos recrutamentos desta posição no draft desde Ha-Ha Clinton Dix, em 2014. Apesar disso, Ted Thompson sinaliza que, de certa forma, se posta como satisfeito do que seus prosectos já produziram para o time, mas reconhece que há espaço para mais e esse mais é o que buscará para este ano.
O Draft 2017 sinaliza que Thompson poderá manter a estratégia, pelo 6º ano seguido, mediante as necessidades que o time apresentou na offseason. A secundária se apresenta como um dos grandes pontos de atenção, por exemplo. Igualmente, muito se falou em buscar reforços  para o pass rush, mas fica o alerta para que a escolha a ser feita seja ainda melhor, impulsionando os resultados do time. Green Bay, ao contrário de alguns de seus rivais, não conseguiu cumprir com seu objetivo de se fortalecer defensivamente. Para isso, vários fatores podem ter colaborado e percebemos nesta offseason movimentos para tentar enfrentá-los, seja com maior uso da tecnologia, de reforços no corpo técnico e na busca por outras filosofias de jogo. Mas, o perfil de jogador a ser capturado no momento em que estamos no relógio e o cruzamento com a real necessidade do time ajudam na mitigação de riscos quaisquer de insucessos. 27 de abril se aproxima e nós seguimos torcendo para que o Draft 2017 traga qualidade e sorte ao time para a caminhada que se iniciará a partir da primeira quinzena de setembro.