Apaixonado por esportes, história e números, principalmente quando misturados com a magia e tradição de um dos principais times da NFL. Abordagens sobre o cotidiano do Green Bay Packers, assim como suas curiosidades e estatísticas. #GoPackGo

Faleceu na noite de ontem, em Village of Hobart, nos arredores de Green Bay, o ex-presidente do Packers, Judge Robert J.Parins. Ele tinha 98 anos e sua morte fora informada pelo time no início da noite de hoje. A notícia já repercute por toda a mídia norte-americana.

Judge Robert J.Parins foi presidente do Packers nos anos 80, tendo atuação decisiva na gestão financeira da franquia. Fonte: PACKERS NEWS

Nascido em 23 de agosto de 1918, quase exatamente 1 ano antes da criação do Packers, se graduou em Direito pela Universidade de Direito de Wisconsin, em 1940. Ele trabalhou como Juiz em Brown Country, Wisconsin, entre 1968 e 1982.

Nativo e apaixonado pelo Packers, viu ao lado do pai, in loco, os primeiros títulos do time, entre 1929 e 1931. Posteriormente, a história o levaria para o centro das decisões do time. Em 1966, foi eleito ao Quadro de Diretores do Packers e a partir daí evolui dentro da pirâmide gestora do time, passando por Vice Presidência (1979) e Executiva (1981). Eleito presidente em maio de 1982, Parins comandou uma das mais tradicionais franquias da NFL até 1989. Apesar de no período ter sido registrada uma campanha de 43-61-2, sua gestão foi marcada por alterações importantes na estrutura do time, servindo, de certa forma, como pavimento aos anos futuros. Uma de suas grandes realizações foi acabar com o modelo operacional centrado na autoridade de um único homem, permitindo que a franquia ampliasse seus horizontes financeiros. Para tanto, Parins contratou um vice-presidente executivo de operações de futebol, Tom Braatz, visando agregar na visão de negócio do time, evitando que a mesma ficasse centrada apenas nos direcionamentos de um líder cívico local, algo previsto desde 1923, quando o Packers se tornou pertencente a toda a comunidade. A “oxigenação” de gestão, por assim dizer, permitiu que ao final do mandato de Parins, a marca Packers tivesse um salto de 73,8% no seu valor de mercado, de US$ 14,9 Milhões para US$ 25,9 Milhões. Outras realizações no campo gerencial:

  • Construiu, em 1985, 72 camarotes, aumentando a capacidade do Lambeau Field para 56.926 lugares;
  • Aumentou a lucratividade do time: o Packers teve lucro de US$ 2 Milhões, em 1986, e US$ 3 Milhões, em 1987;
  • Criou, em 1987, a Green Bay Packers Foundation, instituição que trabalha a parte social carente de Green Bay. Algo importante por ser um retorno que o time dá para aqueles que o apoiam incondicionalmente em qualquer período.

Quanto ao desempenho na liga, uma das mais significativas realizações se deu em 1982, quando o time voltou a aparecer nos playoffs após um hiato de 10 anos. Seu mandato também marcou duas trocas de técnico: a saída de Bart Starr, após 9 anos, para a entrada de Forrest Gregg (1983); e a subsitiuição deste por Lindt Infante (1988).

Bart Starr como técnico de Green Bay no primeiro ano de mandato de Parins. Fonte: NFL

Em 1989 foi sucedido por Bob Harlan. Dois anos depois, foi nomeado presidente honorário do time. Em 1994, eleito diretor emérito e em 1998 integrado ao Hall of Fame do time.

Parins marcou época na gestão de Green Bay. Fonte: GREEN BAY PACKERS

Parins deixa sua esposa Elizabeth, a qual passou 76 anos casado (data celebrada no último fevereiro), convivendo com 5 filhos, 11 netos e 27 bisnetos. Os preparativos para o funeral estão em andamento e não foram divulgados mais detalhes.